Acesso ao Internato Médico e a Nova Prova

SÁBADO | 7 ABRIL | 9H30

Palestrantes

Especialista em Urologia e Assistente Hospitalar do CHSJ, o Dr. Miguel Guimarães é o atual Bastonário da Ordem dos Médicos. Num contexto atual em que ano após ano centenas de jovens médicos recém-formados não conseguem uma vaga para iniciar a sua formação especializada e numa altura de profunda mudança na prova de acesso à formação específica, torna-se fundamental discutir esta problemática.

150 perguntas de escolha múltipla viradas para o raciocínio clínico, 50% de medicina interna e medicina geral e familiar, 15% de Cirurgia geral, 15% de Pediatria, 10% de Obstetrícia/Ginecologia, 10% de Psiquiatria e o fim do Harrison. É este o modelo da nova prova idealizado pela Comissão Nacional onde estiveram envolvidas as faculdades, a Ordem dos Médicos, representantes da prova anterior, a ACSS, o Ministério, a ANEM e os Colégios de Especialidade. Diretor do Serviço de Doenças Infeciosas do Hospital de S. João e Professor Catedrático da FMUP, o Professor Doutor António Sarmento foi o Coordenador desta mesma Comissão.

Professor Jubilado desde 2015, Diretor de Serviço de Ginecologia/Obstetrícia do Centro Hospitalar do Porto e Presidente do Conselho Nacional de Internatos Médicos, o Professor Doutor Serafim Guimarães foi nomeado Coordenador do Gabinete da Prova Nacional de Acesso à Formação Especializada (GPNA).
Em Novembro passado foi assinado um protocolo entre a ACSS, a Ordem dos Médicos e as Escolas Médicas Portuguesas para estabelecer as condições para a preparação e realização da Prova Nacional de Acesso à Formação Médica Especializada (PNA), incluindo a criação do GPNA. Se a Comissão Nacional, liderada pelo Professor António Sarmento, foi responsável por elaborar o novo modelo da Prova, o GPNA tem como função implementar a mesma, sendo que deverá definir uma prova piloto para ser testada em 2018 e terá que assegurar que a matriz e bibliografia da PNA sejam publicadas pelo menos 18 meses antes da realização da prova efetiva.